25set
Em: 25/09/2018
Começou nesta segunda a Rio Oil & Gás, uma das maiores feiras do setor de petróleo e gás. Serão congressos, exposições e eventos paralelos pra discutir o cenário de retomada da indústria do petróleo com a recuperação dos preços do petróleo e novos leilões de campos de produção. E na sexta-feira (28/09) a Agência Nacional do Petróleo (ANP) realiza a quinta rodada de Partilha da Produção. Serão oferecidos quatro blocos de exploração do pré-sal nas áreas de Saturno, Titã, Pau Brasil e Sudoeste de Tartaruga Verde, localizadas nas bacias de Santos e Campos. Apenas uma das 12 empresas que manifestaram interesse na rodada, não tem negócios no Brasil.

Investimentos no Rio na área de petróleo e gás

Segundo a ANP, se todos os blocos foram arrematados, há previsão de receitas da ordem de R$ 180 bilhões em Royalties e Participação Especial. No Estado do Rio, essa quinta rodada pode render R$ 80 bilhões em investimentos. A ANP acredita que até 2054 a cadeia de petróleo e gás pode trazer mais 50 plataformas para o estado do Rio e R$ 1 trilhão em investimentos, cerca de R$ 13 bilhões por ano em arrecadação com Royalties e Participações Especiais, isso ao longo dos próximos 30 anos. Pra se ter uma ideia, em 2017 o estado do Rio recebeu R$ 7 bilhões em arrecadação com Royalties e Participações especiais.  A retomada destes investimentos é possível graças ao trabalho do Christino Áureo para garantir o a continuidade do Repetro.
O Repetro é um programa que reduz impostos, estimulando investimentos e gerando empregos, o regime venceria em 2020, mas Christino trabalhou por uma renovação antecipada, que foi assinada em fevereiro de 2018, quando Christino estava à frente da secretaria da Casa Civil e Desenvolvimento Econômico, o que garantiu a atratividade da Região para investimentos, isso por ter uma carga tributária que é compatível com o que é praticado no Mundo.
Christino Áureo quer liderar a bancada do petróleo e da energia, lutando pra trazer investimentos pro estado, empregos e aumento de arrecadação para Estados e Municípios, especialmente os produtores como Macaé e Campos. Está é uma das bandeiras de sua candidatura a deputado Federal.  Esta ação permite investimentos em saúde, educação, segurança pública, e gera muitos empregos melhorando a qualidade de vida em solos fluminense.
– Precisamos de representantes na Câmara Federal. Nosso estado perde R$ 27 bilhões, porque a produção de petróleo é taxada no consumo, e não na origem como a maioria dos produtos. Precisamos de um deputado que trabalhe para o segmento na Câmara Federal, e que tenha conhecimento e competência para lutar pelos nossos interesses. A nossa atuação no campo do Petróleo nos últimos anos nos legitima a liderar a bancada do Petróleo no Câmara Federal, caso seja eleito. O estado do Rio é o grande produtor do país e precisa de representantes que lutem pelo segmento, principalmente a geração do emprego e arrecadação – avaliou o deputado.