21jun
Em: 21/06/2020

Em reunião na última semana, o deputado solicitou crédito com juros mais baixos do que o anunciado pelo Plano Safra

Lançado nesta semana, pelo Ministério da Agricultura, o Plano Safra 2020-2021 contará com R$ 236,3 bilhões em crédito para apoiar a produção agropecuária nacional, com um volume 6% maior do que o plano anterior. Os recursos para agricultura familiar serão de R$ 33 bilhões, com juros de 2,75% e 4% ao ano para custeio e comercialização. Para os médios produtores rurais, serão destinados R$ 33,1 bilhões, por meio do Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp), com taxas de juros de 5% ao ano. Além disso, a ministra Tereza Cristina disse que estão sendo estudadas parcerias com a Caixa Econômica Federal para a abertura de novas linhas habitacionais aos produtores rurais. Para o deputado Christino Áureo, este segmento deve ser o mais apoiado pelo governo.

– A Ministra Tereza Cristina está engajada a melhorar as condições do pequeno e médio agricultor. Mas eu também tenho alertado constantemente, em reuniões com o Ministério da Economia e a Frente Parlamentar da Agropecuária, a necessidade de apoio ao agricultor familiar, segmento que mais sofre com a crise econômica, e que é responsável por levar grande parte dos alimentos que chegam à mesa do consumidor – afirma.

Christino Áureo acrescentou que, em recente reunião com o Ministro Paulo Guedes, pediu socorro aos produtores fluminenses.

– No Estado do Rio, as principais atividades vêm passando por dificuldades. Na pecuária leiteira, fruticultura, hortigranjeiros, floricultura, pesca, produção de cana, por exemplo, predomina o modelo familiar no nosso estado. E tenho recebido relatos extremamente graves sobre a situação destes produtores. Para se ter ideia, só a floricultura teve uma perda estimada de R$ 297,7 milhões em todo o país, segundo a Ibraflor. Até o início de maio, a estimativa era que o setor deixaria de vender R$ 1,364 bilhão. Nosso estado, como segundo maior produtor de flores de corte do país, foi muito afetado. Temos batalhado para que todos estes segmentos sejam apoiados. É preciso crédito rural, com juros mais baixos para as famílias rurais que produzem alimentos. Não admitimos que faltem alimentos na mesa de quem produz – ressalta Christino Áureo.

Projetos sustentáveis

O Plano Safra deste ano terá linhas de crédito que contribuem para a sustentabilidade da agricultura. Entre as ofertas, o Programa para Redução de Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura (Programa ABC), que é a principal linha para financiamento de técnicas sustentáveis, terá R$ 2,5 bilhões em recursos, com taxa de juros de 6% ao ano. Uma ampliação de R$ 400 milhões sobre o ano passado. Para esta safra, os produtores terão à disposição a linha ABC Ambiental, com recursos para restauração florestal, voltada para contribuir com a adequação das propriedades rurais ao Código Florestal ou outras exigências ambientais. A taxa de juros é de 4,5% ao ano. Os produtores poderão financiar a aquisição de cotas de reserva ambiental, uma medida aprovada pelo Conselho Monetário Nacional (CNM).