25ago
Em: 25/08/2020

Desenvolvimento, reindustrialização e geração de empregos serão alguns dos benefícios para a população de municípios como Macaé e São João da Barra

O deputado federal Christino Áureo (PP-RJ) destaca a importância que a aprovação da Nova Lei do Gás (Projeto de Lei 6.407/13) terá para todo o estado do Rio de Janeiro e, sobretudo, para o Norte Fluminense. A região conta com importantes portos, que serão beneficiados com o avanço do tema no Congresso Nacional, e alguns em fase de projetos. A votação do PL no plenário da Câmara deverá acontecer nesta quarta-feira (26).

Presidente da Frente Parlamentar para o Desenvolvimento Sustentável do Petróleo e Energias Renováveis (FREPER), ele reforça a relevância da aprovação do tema para o desenvolvimento e industrialização de várias regiões do estado. São os casos, por exemplo, dos municípios de São João da Barra, que abriga o Porto do Açu, e de Macaé, com o Imbetiba e Terminal Portuário de Macaé, que deverá iniciar as obras em 2021, assim como Quissamã e Campos dos Goytacazes, com o Complexo Logístico Farol/Barra do Furado, que pode ser retomado.

– A palavra oportunidade vem do latim, que significa “o que empurra para o porto”, ou seja, vento favorável. Hoje, sabemos que os portos são o contato entre a terra e o mar e trazem muitas oportunidades de empregos e divisas para um município, especialmente quando se têm grandes jazidas de petróleo à sua frente. O Porto do Açu soube explorar esse potencial, atuando nos segmentos de indústria naval, petróleo, gás e energia, logística e serviços. É um complexo de uma magnitude e relevância não só para o nosso estado, mas também para o país. E vai abrigar um dos maiores parques termelétricos da América Latina, sendo ainda um dos maiores complexos portuários privados do país – afirma Christino Áureo.

O Porto do Açu tem grande potencial de suporte a novos negócios e setores industriais diversos. Seu modelo operacional eficiente e de baixo custo garante alta produtividade. E o parque termelétrico GNA, com capacidade instalada de 3 GW e licença previa para mais 3,4 GW adicionais, está em fase de conclusão, até 2021.

– Eu diria que, com a aprovação da Lei do Gás, todo o estado vai ganhar, especialmente o Norte Fluminense, que poderá atrair inúmeros investimentos em diversos segmentos. É nossa grande, talvez última, oportunidade de industrializar a região. Chegou a hora de levar tudo isso muito a sério. Essa pandemia vai dizimar nossa economia, se não nos agarrarmos ao gás e à produção de óleo do pré-sal nas áreas mais próximas – acrescenta o deputado.

Mais desenvolvimento

Para Macaé, a abertura do mercado de gás também terá grande impacto na economia. O município receberá a termelétrica Marlim Azul, uma joint venture da Patria Investimentos, Shell Gas e pela Mitsubishi Hitachi Power Systems America, que recebeu investimentos do BNDES da ordem de R$ 2 bilhões. As obras foram retomadas, e a previsão é de que estejam concluídas até o fim de 2022. A expectativa é que ela atenda a mais de dois milhões de residências e, durante a implantação, gere cerca de três mil postos de trabalho, de forma direta e indireta.
– Para um empreendimento deste escopo, é importante avançarmos com urgência com o Terminal Portuário de Macaé (Tepor). Volto a reafirmar que temos grandes oportunidades. A operação de apoio ao pré-sal tem um impacto muito grande sobre o emprego, porque, ao fazermos essas rotas do gás e do óleo, por meio desses portos, outras indústrias vão poder se instalar. É uma porta de oportunidades aberta que, certamente, teremos que aproveitar nos próximos anos – conclui o deputado.