29nov
Em: 29/11/2019

Este será um dos objetivos do deputado para 2020 como coordenador na Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA)

Coordenador da Comissão de Infraestrutura e Logística da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), o deputado federal Christino Áureo (PP/RJ) trabalhará, por meio da entidade, para que a tributação de exportações brasileiras não atrapalhe o desenvolvimento do setor, que, segundo ele, é responsável por segurar os superávits comerciais no Brasil, a atividade e o emprego.

– Há um posicionamento nosso que é muito firme. Esse setor tem contribuído de maneira muito determinada nos resultados das politicas públicas. Nós não podemos permitir que essa taxação penalize o setor – afirma o deputado.

Christino comentou as dificuldades causadas pela cobrança de impostos sobre exportações agropecuárias e os problemas que essa taxação gera ao segmento. Ele reafirma que uma das tarefas da FPA será evitar a tributação.

– Tenho muita tranquilidade para defender esse ponto de vista. Não sei em que medida, se é extinguindo a lei A ou a lei B, mas o fato é que, no final, nós não admitiremos, por meio do trabalho da FPA, que se taxem as exportações brasileiras oriundas do agronegócio. Quando se fez a desoneração da produção agropecuária e, em certa medida, agroindustrial, o que se visava era manter o país competitivo, e isso aconteceu. Ninguém discute que o setor deu resultado – comenta Christino Áureo.

Diálogo é o caminho

O deputado conta com um bom entendimento de que o setor agropecuário não pode sofrer com tributações, por mais que, em várias ocasiões, a opinião pública discorde.

– O governo tem contado com o nosso apoio dentro do Congresso para aprovar pautas que, às vezes, não são fáceis de serem compreendidas pela opinião pública. É preciso que haja compreensão de que é um setor que lida com muita dificuldade, está sujeito a muitas incertezas. É um setor que não pode e não deve ser penalizado, como eu disse, por qualquer medida nesse sentido – reforça Christino Áureo.