08jul
Em: 08/07/2020

Acordo firmado entre a Oil Group, dos Estados Unidos, e a Porto do Açu Operações prevê investimentos de US$ 300 milhões na região
Com o acordo firmado entre a norte-americana Oil Group Investimentos em Refinarias e a Porto do Açu Operações para a instalação de refinaria em São João da Barra, no Norte Fluminense, são boas as expectativas para que, a médio prazo, a região ganhe em infraestrutura e geração de empregos. Serão investidos US$ 300 milhões no negócio – a unidade deve começar a funcionar em 2024. Para o deputado federal Christino Áureo (PP-RJ), é mais um importante passo para que a economia seja retomada, principalmente após a pandemia do novo coronavírus.

Presidente da Frente Parlamentar para o Desenvolvimento Sustentável do Petróleo e Energias Renováveis (FREPER), Christino Áureo destaca a importância da construção da unidade modular, que produzirá gasolina, óleo diesel e óleo combustível – a capacidade inicial é de 20 mil barris por dia, mas pode ser expandida para 50 mil. Esta é a primeira refinaria no Açu e a primeira de outras três previstas pela Oil Group. O terminal de petróleo do Açu é responsável por cerca de 25% das exportações de óleo cru do Brasil. Apenas em 2019, foram mais de 70 milhões de barris vendidos ao exterior.

– A instalação de uma refinaria no Norte Fluminense finalmente se concretizará. Já batalhamos muito pela vinda de um empreendimento como este, e nada mais merecido que se aporte uma unidade próxima aos principais campos de petróleo do país. Com certeza este investimento será importante para a geração de empregos e crescimento da nossa Região – afirma o deputado.

Uma das vantagens da construção da refinaria é que o local, está próximo de área portuária, o que facilita o recebimento do petróleo e escoamento da produção de maneira adequada. A venda de parte dos ativos de downstream (atividade de transporte e distribuição de produtos da indústria do petróleo), por parte da Petrobras, facilita para que o refino seja mais local. Ou seja, as unidades vendem os seus produtos para regiões mais próximas, beneficiando ainda mais a economia do Estado do Rio de Janeiro nos próximos anos.