17jul
Em: 17/07/2020

Campo de Búzios bate recorde de produção, e Acatu entra em operação; movimentos importantes para a retomada pós-pandemia

A Petrobras informou, nesta semana, que as plataformas instaladas no campo de Búzios (P-74, P-75, P-76 e P-77), no pré-sal da Bacia de Santos, alcançaram novos recordes de produção, de 674 mil barris de óleo por dia (bpd) e 844 mil barris de óleo equivalente por dia (boed). Segundo maior campo em produção no Brasil, Búzios possui uma das maiores reservas de petróleo do mundo, estimada em 10 bilhões de barris. Outra novidade recente do setor foi o inicio da produção de petróleo e gás natural da jazida compartilhada de Atapu, localizada na porção leste do pré-sal da Bacia de Santos, próxima ao campo de Búzios. As operações vêm em um momento em que o Estado do Rio de Janeiro e todo o Brasil atravessam uma séria crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus. Pode ser um dos impulsos para a retomada e para a geração de empregos aos municípios fluminenses produtores da região.

Segundo o deputado federal Christino Áureo (PP-RJ), presidente da Frente Parlamentar para o Desenvolvimento Sustentável do Petróleo e Energias Renováveis (FREPER), a exploração do pré-sal dará fôlego ao Estado do Rio e será muito importante, principalmente, após o surto de Covid-19.

– A descoberta do pré-sal mudou o cenário das perspectivas de exploração e produção de petróleo e gás no país. Em 2017, já produzia mais do que o pós-sal, e, no ano passado, o pré-sal já chegou a 1,9 milhão de barris por dia, contra 1 milhão de barris de óleo por dia, do pós-sal. Mesmo neste momento de crise, voltamos a ter boas notícias para o segmento. Isso reflete na economia do país, especialmente no Estado do Rio – afirma Christino Áureo.

A unidade Atapu tem capacidade para processar, diariamente, até 150 mil barris de óleo e tratar até seis milhões de m³ de gás natural. Ela operará a cerca de 200 quilômetros da costa do Estado do Rio de Janeiro. A Petrobras é dona de 89,257% dos direitos da jazida, em parceria com a Shell Brasil Petróleo Ltda. (4,258%), Total E&P do Brasil Ltda. (3,832%), Petrogal Brasil S.A. (1,703%) e PPSA, que representa a União, (0,95%). O de unitização foi concluído em setembro de 2019.

Quando operar em sua capacidade total de produção, a P-70 será responsável por um acréscimo de aproximadamente 5% em relação à atual produção nacional de petróleo.